Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Delação de empreiteiro da OAS parada há cinco meses na PGR

Delação de empreiteiro da OAS parada há cinco meses na PGR
COMPARTILHE

O documento foi assinado em dezembro de 2018 com a Procuradoria-Geral da República.

O acordo de delação premiada do ex-presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro, ainda não foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ser homologado.

A homologação é necessária para que os relatos de supostos crimes possam robustecer inquéritos e processos em andamento e possibilitem a abertura de novas investigações.

O acordo está parado para análise no gabinete da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, há pelo menos cinco meses, contados a partir do fim das oitivas do empreiteiro.

Pinheiro prestou depoimentos à Polícia Federal (PF) em janeiro e início de fevereiro deste ano.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, “a percepção de demora no procedimento tem levado críticos de Dodge a aventar a possibilidade de que o timing tenha a ver com o processo de sucessão na PGR, pois Léo Pinheiro citou integrantes do Poder Judiciário em sua delação”.

Procurada, a PGR informou que não comenta acordos de delação protegidos por sigilo. A defesa de Léo Pinheiro também não quis se manifestar.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE