Delação de Léo Pinheiro atinge em cheio 14 políticos

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
Capa: Paulo Lisboa / Brazil Photo Press/Agência O Globo

Mais de dois anos após começar a negociar seu acordo de delação premiada com a Lava-Jato, o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, finalmente obteve o aval da Procuradoria-Geral da República (PGR) e está fechando os últimos detalhes da sua proposta.

A delação do empresário, que está preso em Curitiba desde setembro de 2016, recebeu o sinal verde da procuradora-geral, Raquel Dodge.

Os temas e as minúcias jurídicas do acordo estão sendo acertados com a equipe da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba.

Até o momento, a delação inclui uma lista de aproximadamente 60 anexos à qual O GLOBO teve acesso:

Os documentos envolvem ao menos 14 políticos do MDB, PSDB, PT, PP e DEM, pagamentos de propina em obras feitas pela empreiteira em 11 estados brasileiros e operações ilícitas em cinco países da América Latina, além de repasses de caixa dois para campanhas eleitorais.

Entre os delatados por Pinheiro está um dos principais pré-candidatos ao governo do Rio de Janeiro, o ex-prefeito Eduardo Paes, que deverá concorrer ao cargo pelo DEM. O empreiteiro conta que Paes recebeu repasses via caixa dois para sua campanha à prefeitura em 2012.

Segundo informações de O Antagonista:

Em seu acordo com a PGR, Léo Pinheiro delata Eduardo Paes, Aécio Neves e José Serra.

Mas quem ele enterra de uma vez por todas é Lula.

O Brahma vai passar anos e anos na cadeia, a não ser que consiga eleger alguém que lhe garanta um indulto, como Ciro Gomes.

 

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.