Delação de operador tucano pode complicar vida de Geraldo Alckmin

Preso desde o dia 6 de abril, o engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, estuda fazer uma delação premiada e revelar detalhes sobre as contas atribuídas a ele na Suíça.

A possível delação de Paulo Preto pode representar problemas ao PSDB e ao presidenciável tucano Geraldo Alckmin.

Nomeado pelo ex-governador de São Paulo em junho de 2005, Paulo Preto é acusado de desviar recursos públicos durante as gestões tucanas entre os anos de 2009 e 2011, durante os governos de José Serra, Alberto Goldman e do próprio Alckmin.

De acordo com informações da jornalista Mônica Bergamo no jornal Folha de S. Paulo:

Souza, que é tido como operador do PSDB, tem pensado “muito” no assunto, segundo interlocutor próximo, diante da celeridade das investigações de contas atribuídas a ele na Suíça. Documentos que estão chegando ao Brasil provariam que o engenheiro era o titular delas.

O próximo passo seria o rastreamento da distribuição dos recursos que foram depositados naquele país. Caso isso seja descoberto pelos investigadores, o engenheiro, que está preso, já não teria informações preciosas para fornecer.

O abalo da família também estaria pesando em suas reflexões. A decisão de falar, no entanto, ainda não foi tomada. Se isso ocorrer, diz um amigo próximo, será “de uma hora para a outra” e sem recuo.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

2 Comentários

  1. Marcia disse:

    Alckmin não teme seu passado. Em outubro, sua eleição trará calma e possibilidade de reformas e crescimento, ele é o mais preparado para assumir a presidência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *