Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Deputado psolista Jean Wyllys se queixa de perseguição

Deputado psolista Jean Wyllys se queixa de perseguição
COMPARTILHE

Comissão Interamericana de Direitos Humanos, vinculada a OEA, demandou proteção ao deputado federal reeleito Jean Wyllys, do PSOL do Rio de Janeiro.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) se manifestou esta semana sobre uma série de ameaças que ensejaram uma queixa do parlamentar encaminhada à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, vinculada a OEA.

O parlamentar fez um “longo relato” sobre sua rotina de “difamações e ameaças”. Wyllys reclama de ser alvo de fake news e campanhas difamatórias e de receber ameaças de morte.

Leia abaixo os principais trechos de seu relato à OEA, conforme publicou o “EL País“:

Semanas atrás, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos solicitou ao Governo brasileiro que tome medidas para proteger minha vida e integridade pessoal. Também pediu que sejam investigadas as ameaças e a difamação de que sou vítima através de fake news, que aumentaram minha vulnerabilidade, ao me tornar alvo do ódio de setores da sociedade. A decisão da CIDH é uma reação da comunidade internacional à inação do Estado brasileiro diante de uma situação que tem se prolongado no tempo e que, no último ano, agravou-se muito.

Desde o início do primeiro mandato, sou alvo de fake news e campanhas difamatórias que tentam me associar à pedofilia e me colocar como ameaça para as famílias e inimigo de parte da população, particularmente dos cristãos. Para isso, atribuem a mim projetos de lei inexistentes e declarações que nunca fiz, usando vídeos editados, montagens de fotos, notícias falsas e deturpação de informações.

As fake news têm por objetivo não apenas a destruição da minha imagem e o ataque a uma agenda de direitos humanos e liberdades individuais, como também a invenção de falsas justificativas para espalhar ódio contra mim e contra minha família e promover atos de violência que possam me atingir.

O parlamentar se queixa por estar sendo obrigado a pedir escolta oficial e fazer seus deslocamentos exclusivamente em carros blindado, o que teria contribuído para a restrição de seus movimentos inclusive durante a última campanha. “Não posso ir a lugar nenhum sem a escolta, porque essas são as condições para me proteger, de modo que é como se eu estivesse em cárcere privado sem ter praticado crime nenhum, sendo eu a vítima. Isso tem afetado muito minha saúde física e emocional

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários