Ditadura da Venezuela conduz operações de busca na casa de opositores

Agentes da inteligência miram residências de Julio Borges, exilado na Colômbia, e Juan Requesens, detido na terça-feira (7). A oposição diz que se trata de uma tentativa da ditadura da Venezuela de plantar evidências.

Agentes do serviço de inteligência da Venezuela realizaram buscas nas residências dos líderes da oposição, Julio Borges e Juan Requesens, acusados pela ditadura de serem os responsáveis pelo suposto atentado contra Nicolás Maduro.

A operação foi relatada por Requesens e seu partido, o Primeira Justiça, em rede social.

“Sem mandado de busca, sem presença de advogados, funcionários da SEBIN (o serviço de inteligência da Venezuela) entraram na casa de Julio Borges para incriminá-lo”, informou o Primeira Justiça. A sigla afirma que a operação busca plantar provas nos locais para validar a acusação de Maduro.

Atualmente exilado na Colômbia, Borges confirmou a operação. Antes de deixar o país, o político era o presidente da Assembleia Nacional e líder da oposição ao governo.

“Durante mais de quatro meses estive fora de minha casa e qualquer coisa que possam colocar lá, armas, drogas, documentos, será produto da imaginação deles”, afirmou Borges, em transmissão em rede social. “Você (Maduro) não é nenhuma vítima. Você é o acusador”.

 

Com informações do Estadão
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia