Ditadura da Venezuela pode deixar Roraima no escuro

Idiomas:

Português   English   Español
TARCISO MORAIS
TARCISO MORAIS
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia.

Roraima é o único Estado fora do sistema interligado nacional. Mais de dois terços do consumo são atendidos pela importação de energia gerada na usina hidrelétrica de Guri, na Venezuela.

A ditadura da Venezuela poderá cortar o fornecimento de energia elétrica para Roraima a partir da primeira semana de setembro.

O aviso foi feito ao governo do Brasil por meio de ofício encaminhado à Eletronorte no dia 4 de junho.

A estatal venezuelana Corpoelec deu prazo de 90 dias para receber uma dívida acumulada em pouco mais de US$ 30 milhões pelo suprimento de megawatts ao Brasil.

A energia chega Boa Vista e outros nove municípios do Estado por uma linha de transmissão inaugurada pelos então presidentes Fernando Henrique Cardoso e Hugo Chávez em 2001. O restante, incluindo uma complementação nos horários de pico, vem de térmicas movidas a óleo combustível.

Segundo informações do Valor Econômico:

O ministro Moreira Franco disse ao Valor que a confusão se deve às dificuldades causadas pelo “desmantelamento do sistema financeiro venezuelano”, mas afirmou desconhecer relação direta com o embargo da Casa Branca.

O Ministério da Fazenda e o Banco Central foram acionados para encontrar uma solução. A Eletrobras, enquanto isso, se dedica à elaboração de um plano de contingência para evitar que o Estado caia no escuro em caso de desabastecimento para o Estado.

Newsletter RENOVA

Receba diariamente as principais notícias do Brasil e do Mundo.

Curta e compartilhe esta notícia

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email

Deixe seu comentário

Veja outras notícias em destaque