PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Dono da Band critica atuação da Operação Lava Jato

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

“Antes de você prender uma pessoa, investigue. Busque provas, comprove aquilo. E depois você prende. Senão você vai destruindo carreiras, profissões, nomes, empresas, setores”, disse Saad.

Em evento realizado pelo canal Band News, na última segunda-feira (17), o dono do Grupo Bandeirantes, Johnny Saad, afirmou que o combate à corrupção não pode “destruir empresas nacionais”.

Saad destacou que a crise no Brasil não é resultado “só de problemas econômicos”, criticando a atuação da Operação Lava Jato:

“A elite que está aqui sentada, com o Poder Judiciário, com o poder Legislativo, com a CGU, tem instrumentos para que possa se revolver isso. […] [Para] nós voltarmos a como era antigamente: antes de você prender uma pessoa, investigue. Busque provas, comprove aquilo. E depois você prende. Senão você vai destruindo carreiras, profissões, nomes, empresas, setores.”

O dono da Band acrescentou:

“Nenhuma das empresas internacionais que se envolveu no escândalo da Petrobrás ou em outros escândalos foi destruída. Penalize quem fez, mas não se penalize a empresa.”

A declaração de Saad está repercutindo nesta sexta-feira (21) entre influenciadores e políticos alinhados à esquerda.

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), por exemplo, comentou no Twitter a declaração:

“A elite acordou para a tragédia que é a Lava Jato? Dono da Band critica a destruição econômica causada por Sérgio Moro e Deltan Dallagnol à frente da Lava Jato e a serviço dos Estados Unidos.”

Confira o vídeo da declaração:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.