Duque diz que as FARC têm armas armas e dinheiro escondidos

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O presidente eleito da Colômbia, Iván Duque, diz que é preciso corrigir o que está dando errado nos acordos com a guerrilha marxista das FARC.

Dez dias depois de vencer as eleições em 17 de junho, Iván Duque iniciou uma viagem que dá a entender como será o seu governo.

Primeiro visitou os Estados Unidos, onde o novo presidente da Colômbia fortaleceu os laços com a administração de Donald Trump.

De lá, voou para Madri. Foi recebido pelo rei Felipe VI, pelo chefe do executivo, Pedro Sánchez, e apresentou a empresários um plano de reformas econômicas focadas na promoção de indústrias criativas.

O novo presidente colombiano assumirá o bastão das mãos de Juan Manuel Santos no dia 7 de agosto, uma semana depois de seu 42º aniversário.

Promete corrigir os acordos de paz com as FARC alcançados por seu antecessor “sem despedaçá-los”, pretende unir um país dividido depois de mais de meio século de conflito armado.

Em entrevista realizada pelo jornal El País na segunda-feira (9), Iván Duque deixou claro seu posicionamento sobre a guerrilha marxista das FARC:

Mas temos de corrigir as coisas que estão dando errado e que geram efeitos negativos: a expansão vertiginosa de plantações ilícitas, o fato de que há armas e dinheiro escondidos, que são uma forma de afronta às vítimas, e que se possa garantir que o partido FARC mantenha sua representação no Congresso, mas, se qualquer de seus membros for condenado por crimes contra a humanidade, deve deixar o Congresso e ser substituído por outro.

 

Com informações de El País

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.