Duque vai rever acordos com a guerrilha comunista ELN em 30 dias

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O novo presidente da Colômbia, Iván Duque, afirmou nesta terça-feira (7) que avaliará nos 30 primeiros dias de seu governo os diálogos de paz com a guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) para tomar uma decisão sobre a questão.

Duque afirmou:

Durante os primeiros 30 dias do nosso governo, vamos realizar uma avaliação responsável, prudente e completa do processo de diálogo que demorou 17 meses com o ELN.

Empossado hoje, o presidente da Colômbia ressaltou que para que o processo de paz seja crível ele deve se assentar sobre o fim das ações criminosas.

‘Queremos avançar, mas o povo colombiano não tolerará que a violência seja legitimada como meio de pressão’, disse.

Para fazer a avaliação, o novo presidente explicou que o governo vai se reunir com a ONU, com a Igreja Católica e com os países que apoiaram o processo. O objetivo é que eles compartilhem com a Colômbia o balanço que fizeram dos diálogos de paz.

O governo colombiano e o ELN começaram em fevereiro de 2017 a dialogar. Inicialmente, o Equador mediou o processo, mas deixou o posto depois da posse de Lenín Moreno como presidente do país.

Em maio, as conversas então passaram a ser realizadas em Havana, sob mediação de Cuba, que exerceu o mesmo papel no acordo de paz firmado com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

No último dia 1º de agosto, as partes concluíram a sexta rodada de diálogo sem chegar a um pacto para estabelecer um cessar-fogo bilateral temporário que garanta o avanço do processo de paz.

 

Adaptado da fonte EFE

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.