Português   English   Español

Editora cristã denuncia censura do Google

O diretor de uma editora luterana está denunciando que o Google não aceita veicular propagandas relacionadas ao site de sua organização “por causa da fé que professamos”.

Bruce Kintz, da Concordia Publishing House (CPH), ligada aos luteranos conservadores dos Estados Unidos, expressou sua indignação publicamente após ser informado que o serviço de publicidade online do Google não promoveria o site da CPH devido à presença de certos ‘itens religiosos’ na página.

Kintz revelou que a empresa recebeu um e-mail avisando que o Google não “aceitaria mais nada relacionado ao domínio cph.org”. Um dos responsáveis pelo sistema de publicidade do Google AdWords deixou claro ao CPH que as referências a Jesus e à Bíblia levaram à “desaprovação “de seus anúncios.

“É uma batalha difícil, mas nossa missão e nossos clientes valem a pena”, enfatizou o diretor. “É por isso que estamos aqui.”

De acordo com informações do Gospel Prime:

Um porta-voz do Google disse ao The Christian Post a empresa não “censura organizações cristãs”, mas que, para “proteger a privacidade do usuário, o Google AdWords tem políticas que “restringem a forma como os anunciantes podem usar os dados para exibir e personalizar anúncios para os usuários”.

Segundo as regras da empresa, está proibido “o uso de crença religiosa pessoal para segmentar usuários para publicidade”.

De acordo com a Concordia Publishing House, os anúncios reprovados pelo Google usavam o nome Jesus e faziam propaganda de Bíblias, utilizando versículos em destaque. A sugestão do representante do Google é que eles anunciassem “um tipo diferente de produto”, sem teor religioso.

Kintz afirma que eles não “sacrificariam” suas crenças para cumprir os requisitos do Google. “Não é nenhum segredo que a sociedade está se tornando cada vez mais hostil à fé cristã. Essa crescente hostilidade torna nossa missão de proclamar nossa fé através dos livros, Bíblias e todo material que produzimos ainda mais importante”, afirmou. “Continuaremos a proclamar a fé porque sabemos, sem sombra de dúvida, que a Palavra do Senhor é eterna.

Essa denúncia não é nenhuma novidade. Nos últimos anos, temos visto vários casos semelhantes envolvendo as gigantes da tecnologia, como o Twitter e o Facebook. Eles têm suprimido o alcance de páginas conservadoras e cristãs, também proibindo a veiculação de comerciais religiosos em suas plataformas.

Deixe seu comentário

Veja também...

Newsletter Renova!

Preencha o formulário para assinar nossa newsletter.

Nome Email
newsletter