‘Em nenhum momento preguei golpe militar’, diz general Mourão

Twitter
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Ao falar sobre o ataque sofrido por Jair Bolsonaro em sabatina na emissora Globonews, o general da reserva Hamilton Mourão buscou adotar um tom pacificador.

Em sabatina realizada na noite da última sexta-feira (7) pela GloboNews, o candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Hamilton Mourão, negou que tivesse pregado o golpe militar em algum momento.

Durante a entrevista, Mourão buscou esclarecer sua posição e afastar a possibilidade de um golpe militar:

(…) Ficou aquela ideia de que eu estava pregando um golpe militar. Essa foi a ideia que foi passada. E eu, em nenhum momento, preguei golpe militar. É uma questão de, quando você olha a missão constitucional das Forças, tem uma missão que (…) é a garantia dos poderes constitucionais. Como é que a gente garante os poderes constitucionais? Mantendo a estabilidade? E, se um Poder não consegue mais cumprir a sua finalidade, o que nós fazemos? Então é uma discussão que nós temos tido ao longo dos tempos, porque está escrito na Constituição.

Ele ainda afirmou que o Brasil tem quatro objetivos nacionais permanentes: integridade do território, integridade do patrimônio, democracia e paz social.

Mourão prosseguiu:

Quando você fala em integridade do território, integridade do patrimônio, é defesa da pátria. E quando você fala democracia e paz social, você está dentro das outras duas missões, que é a garantia dos poderes constitucionais e a garantia da lei e da ordem.

Questionado pelos entrevistadores que as Forças Armadas poderiam intervir por solicitação de um dos Poderes, e não por conta própria, Mourão fez um contraponto ao destacar uma situação hipotética de anarquia, mas afirmou que esse não é o momento atual do País.

Ao falar sobre o ataque sofrido por Bolsonaro na última quinta-feira (6), Mourão buscou adotar um tom pacificador:

Nós estamos lançando pequenos vídeos, fazendo contato com os cabeças de chave nos diferentes estados e passando a palavra de ordem: reduzir as tensões. Não adianta haver confronto neste momento, não faz bem para ninguém e é péssimo para o país.

 

Adaptado da fonte InfoMoney
Twitter
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Isso também pode te interessar

Deixe seu comentário

Anunciante
e-consulters
Parceiro

Assine nossa Newsletter!

Preencha o formulário para assinar.

Nome Email
newsletter

Últimas publicações