Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Emicida defende ‘cancelamento’ de Barbara Gancia

Emicida defende ‘cancelamento’ de Barbara Gancia

“Emicida não se deu ao trabalho de saber quem sou antes de me esculhambar publicamente”, rebateu a jornalista.

A jornalista Bárbara Gancia teceu duras críticas contra o rapper Emicida, que foi o convidado do programa “Roda Viva”, da TV Cultura, nesta segunda-feira (27).

Ao ser questionado pela apresentadora do programa de entrevistas sobre o que achava da “cultura do cancelamento”, o rapper citou Bárbara:

“Muitas pessoas que se dizem canceladas só estão sendo questionadas e responsabilizadas pelo que falaram. As pessoas brancas têm o hábito de dizer coisas e não ter resposta sobre o que disseram. Um exemplo disso é um texto da Bárbara Gancia dos anos 2000 no qual ela diz que o hip-hop é financiado pelo tráfico de drogas e que o Gilberto Gil (Ministro da Cultura na época) não deveria olhar para o hip-hop como movimento cultural. E nenhum de nós tinha voz para responder isso naquele mesmo veículo. Aí quando a gente tem uma posição que a gente consegue trocar de igual, a pessoa se sente cancelada. Ela não está sendo cancelada, está sendo exposta e responsabilizada pela forma irresponsável pela qual ela compartilhou um pensamento.”

Ao saber que havia sido citada na entrevista, a jornalista se manifestou no Twitter chamando o rapper de “bostinha sem senso de humor”:

“De minha parte, eu já expliquei um milhão de vezes, inclusive para ele pessoalmente, que fui uma das tantas pessoas da minha geração que não conseguiam achar graça em ver alguém pegar uma música de sucesso, gravar a própria voz em cima e sair dizendo que se tratava de uma composição sua. Pois é, era assim que a toupeira aqui via o rap. Tirei um sarro disso na minha coluna da Folha algumas vezes. Daí tomei tanta porrada que resolvi tomar vergonha na cara e ir estudar a história do rap e do hip-hop pra entender do que se tratava. O que eu fiz foi ler tudo o que podia e passar dia e noite ouvindo para aprender. O resultado disso, orgulho-me em dizer, foi uma completa conversão. Gostaria de convidar a todos para visitar agora mesmo o meu perfil no Spotify e conferir as minhas playlists para verificar se há hip-hop, se eu sou essa pessoa escrota que esse moleque está dizendo que sou. Eu era idiota, tomei na cabeça, fui lá, ralei e aprendi. Emicida não se deu ao trabalho de saber quem sou antes de me esculhambar publicamente, mesmo estando cansado de saber o custo que um ataque desse tipo pode ter nas redes sociais justiceiras e magnânimas dos dias de hoje. Mostrou ser um nanico, um bostinha sem senso de humor, o mesmo que reagiu feito moleque chorão quando eu tirei sarro dele no Twitter. É lamentável ele ter se portado dessa maneira comigo, uma pessoa a quem ele já deveria ter aprendido a respeitar, somos colegas de elenco, eu tenho idade pra ser mãe dele, a nossa chefe já falou pra ele que ele estava errado em me julgar tão mal e, na real, eu acho o trabalho social que ele faz admirável. Mas essa parada aqui comigo passou dos limites, melancólica mesmo. Ele continua sendo o mesmo que se recusou a trabalhar comigo na Copa da Rússia, o mesmo que me julga sem nem sequer se questionar porque alguém que ele considera tão desprezível ocuparia espaços em lugares tão próximos aqueles em que ele também está presente. Seriam todos idiotas e só ele enxerga a verdade? Olha só, Emicida: humildade é boa e mandou lembranças, sabichão.”

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email