Português   English   Español

ENTREVISTA | Cartunista André Guedes e “As Aventuras do Bolsomini”

Twitter
WhatsApp
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Renova entrevistou o cartunista carioca André Guedes. Ele é o autor das tirinhas que estão rendendo boas risadas e conquistando muitos fãs na internet brasileira: “As aventuras do Bolsomini”

1) Olá, André. Em primeiro lugar, agradeço por conceder esta entrevista à Renova e te parabenizo por seu trabalho incrível. Dito isso, gostaria que você se apresentasse para o nosso público.

Olá, o prazer é todo meu! Aproveito a oportunidade para elogiar também o ótimo trabalho de vocês, sempre muito cirúrgico e assertivo ao abordar as notícias inconvenientes que a mídia tradicional distorce ou mesmo oculta do grande público.

Agora sobre mim… Bom, meu nome é André Guedes, moro no Rio de Janeiro e trabalho com desenhos de humor há mais de uma década. Já fiz trabalhos para a TV Globo, alguns clubes de futebol e canais do Youtube. Atualmente, mantenho um blog de charges esportivas no Globoesporte.com e venho atuando de maneira independente com cartoons de pegada política/ideológica.

2) Como a arte influenciou sua vida? O veio artístico sempre esteve com você ou é uma habilidade que foi se desenvolvendo com o tempo, através de muita dedicação?

Eu sempre gostei de desenhar, e acredito que a habilidade se desenvolve a partir do interesse que a criança tem por determinado assunto – principalmente se houver incentivo por parte dos pais, o que foi o meu caso. Quando tinha cinco anos de idade, na era Sarney, o então ministro Sayad fez um pronunciamento na TV e eu resolvi retratar aquela figura careca num pedaço de papel (que tenho até hoje). Recebi o impulsionamento necessário dos meus pais e avós, e isso me fez aprender a fazer caricaturas desde cedo.

Mas continuo sempre aprendendo, treinando continuamente e odeio ver meus trabalhos antigos e perceber o quanto eu cometia erros… Aliás, tenho certeza que daqui a alguns meses, vou olhar pra arte que publiquei hoje e detestá-la de todo coração. Rs.

Sobre a influência da arte na minha vida, eu diria que é meu alicerce. Também sou músico, e não sei o que seria de mim sem o lápis e o violão. Se eu pudesse dar um conselho pras pessoas, seria esse: aprenda a tocar um instrumento, desenhar ou pintar – vai te ajudar um bocado nas horas difíceis.

3) Para quem ainda não conhece seu trabalho. Além da conta no Twitter @aguedescartoon. Onde podemos encontrar mais artes produzidas por você?

É possível encontrar as charges esportivas no blog do Globoesporte e no meu canal do Youtube. O trabalho na pauta é publicado diretamente no Facebook.

4) A nossa apoiadora Aurora pergunta: “Numa época em que as pessoas têm dificuldade de ler textos longos (por falta de tempo, paciência, inteligência, etc), você acredita que as charges podem ocupar este meio de transmitir ideias  e reflexões?”

Com certeza. Algumas charges viralizam exatamente pelo fato de representarem ideias complexas de forma extremamente simples. É uma arma importante, mas deve ser usada com responsabilidade, porque atualmente é bastante comum a desinformação através de ilustrações que simplificam a realidade de modo a distorcê-la.

5) As tirinhas “As aventuras do Bolsomini” estão fazendo um sucesso imenso na internet. Abordar assuntos polêmicos do cenário político e cultural brasileiro através da sua arte sempre te interessou?

Há muito tempo venho flertando com a temática política e cultural, mas só recentemente encontrei um formato simples e prático pra divulgar minhas ideias – que é a charge na pauta. Me divirto bastante produzindo o material.

6) Sabemos que a esquerda mantém uma espécie de monopólio cultural no Brasil e no mundo há um bom tempo. Acredito que sua arte pode ser classificada como “politicamente incorreta”. É difícil ser um artista em uma época onde estamos vendo tanta perseguição aos que ousam bater de frente com a agenda do politicamente correto? Você está sendo alvo de ataques?

Na década passada ou retrasada, minhas piadas seriam consideradas normais ou quase inofensivas, mas hoje em dia a patrulha é tão forte que minha abordagem é considerada politicamente incorreta. Inclusive, não concordo com essa ideia de que no humor vale tudo – há certos limites do bom senso que não devem ser ultrapassados. Não acho de bom tom fazer piada com a deficiência física ou mental alheia, por exemplo (se bem que fazer piada com a esquerda poderia se enquadrar nesse segundo quesito). Mas a questão é que hoje em dia tudo fere sentimentos, então é um momento realmente muito difícil pra fazer humor.

Quanto aos ataques, não tenho do que me queixar – venho recebendo bastante incentivo, muita mensagem positiva. É claro que de vez em quando surgem alguns perfis fakes me xingando, mas eu me divirto com eles – porque sei que são pessoas absolutamente fracassadas que não conseguem responder com um trabalho autoral, então o que resta é o xingamento.

7) Estamos presenciando o crescimento de iniciativas na internet brasileira que não se deixam silenciar por esta agenda nociva. Canais de humor no Youtube como o Hipócritas, o Spider Consense, entre outros já superam as centenas de milhares de seguidores. Você acredita que estamos presenciando o fim da hegemonia da esquerda nessa área?

Certamente, e Olavo de Carvalho mostra que realmente tem razão (sem querer aqui tirar proveito do meme já desgastado) quando argumenta que a batalha é cultural. A esquerda se infiltrou nas redações e universidades durante décadas e jamais foi incomodada; agora estão absolutamente desesperados porque notam que um discurso contrário está florescendo – e daí falam em “ódio”, “polarização”, “onda conservadora”, “retrocesso”.

8) Por falar no Spider Consense, vi uma breve interação entre vocês dois pelo Twitter. Poderíamos ver uma parceria no futuro? Tenho certeza que a aprovação seria imensa!

O Spider é um gênio e temos sim ideias pra algumas parcerias da direita delirante.

9) Quanto às tirinhas “As aventuras do Bolsomini“, estamos vendo cada vez mais novos personagens e algumas sugestões para criar uma animação. Como você enxerga essa possibilidade?

Animação é um processo caro, complicado e trabalhoso. Pra piorar, o Youtube não ajuda os produtores desse tipo de conteúdo. A plataforma dá preferência para vídeos longos, family friendly e politicamente corretos ao extremo – em resumo, conteúdos pra crianças e adultos retardados mentais. O algoritmo não é nada generoso com vídeos de animação (que costumam ter, no máximo, 4 minutos de comprimento), o que afeta a monetização e asfixia o processo como um todo. Mas devo confessar que o clamor tem sido tão grande que venho pensando na possibilidade de me aventurar novamente por essa área.

10) Você abriu um espaço para contribuição na plataforma Apoia.se. Com certeza farei minha contribuição. Por que você acha que, mesmo com um engajamento muito superior aos conteúdos da esquerda, é tão difícil para projetos de direita conseguirem financiamento aqui no Brasil?

Acho que a dificuldade em conseguir apoiadores privados não é uma exclusividade dos projetos de direita. O brasileiro médio ainda não adquiriu essa cultura porque nossa mentalidade ainda é muito “estatal”, de leis rouanets e concursos públicos. Basta dizer que empreender é um ato horroroso e a meta de quase todo mundo é conseguir vaga numa repartição pública. Felizmente, percebo que as cabeças estão mudando pouco a pouco e alguns canais estão conseguindo êxito com projetos de financiamento coletivo – em vez de partir pra dependência de leis disso ou daquilo.

Quanto ao projeto no apoia.se, decidi abrir justamente pra tentar viabilizar as animações e outros conteúdos bacanas que venho pensando (contribuam!)

11) André, quero te agradecer por ter concedido esta entrevista para a Renova Mídia. Desejo muito sucesso na sua caminhada e tenho certeza que ainda falaremos muito do seu trabalho por aqui. Gostaria de deixar uma mensagem final para os nossos seguidores?

Eu que agradeço pela oportunidade. E não briguem, talquei? A direita anda muito birrenta ultimamente, num duelo de egos e ideias que considero tóxico e contraproducente – enquanto isso, a esquerda (que está nas cordas) vai se recuperando. Abram o olho, juntos somos mais fortes.


Você pode conferir todas as tirinhas “As Aventuras do Bolsomini” através do link abaixo. Imperdível!

Terminamos por aqui. Espero que tenham gostado da entrevista e não deixem de contribuir com o André Guedes e o seu Cartoon em Pauta.

Twitter
WhatsApp
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Deixe seu comentário

Veja também...

Anunciante
e-consulters
Parceiro

Assine nossa Newsletter!

Preencha o formulário para assinar.

Nome Email
newsletter

Últimas publicações