Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Espião do FBI manteve contato com membros da campanha de Trump

Tarciso Morais

Tarciso Morais

COMPARTILHE

Nos últimos dias, Trump e seus aliados fortaleceram suas críticas ao FBI por ter espionado indevidamente a campanha presidencial de 2016.

Em meados de julho de 2016, um professor americano aposentado se aproximou de um assessor da campanha presidencial de Donald Trump em um simpósio sobre a corrida da Casa Branca realizado em uma universidade britânica.

O professor aproveitou a oportunidade para iniciar uma conversa com Carter Page, a quem Trump havia nomeado alguns meses antes como consultor de política externa.

Mas o professor era mais do que um acadêmico interessado na política americana – ele era uma fonte da inteligência norte-americana há muito tempo.

E, em algum momento de 2016, ele começou a trabalhar como um informante secreto do FBI ao investigar a interferência da Rússia na campanha, de acordo com pessoas familiarizadas com suas atividades.

O papel desempenhado pelo professor espião deixa claro que a Polícia Federal dos Estados Unidos estava espionando a campanha do candidato republicano ativamente.

Segundo relatos, havia pelo menos um representante do FBI implantado, para fins políticos, em minha campanha para presidente. Aconteceu muito cedo, e muito antes da falsa narrativa da Rússia se tornar uma história “quente” para a Fake News. Se for verdade – será o maior escândalo político!

A indignação do presidente norte-americano é totalmente compreensível.

A confirmação do informante do FBI espionando a campanha de Trump, vários meses antes da narrativa sobre interferência da Rússia começar a ser propaga pelos veículos de informação da velha imprensa, é uma confirmação de que o governo do ex-presidente Barack Obama utilizou agências de inteligência dos Estados Unidos para espionar seu adversário político.

Fica claro que o pântano político e midiático de Washington estava extremamente preocupado com a possibilidade de vitória do candidato conservador Donald Trump e passou a fazer uma vigilância profunda, mesmo sem ter evidências concretas para abrir uma investigação na Justiça norte-americana.

 

Traduzida e adaptada do Washington Post
- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram