OPINIÃO | Esquerdistas X Direitistas: A militância da burrice

Nunca tive dúvida sobre a falta de conhecimento básico em relação à política e assuntos ligados a ela por parte dos militantes de esquerda. Mas o que eu não sabia ou não queria admitir é que, alguns militantes de direita, são tão burros quanto os de esquerda.

Sempre analisei com mais cuidado e atenção à atitude da militância esquerdista por ela ser obviamente mais numerosa e espalhafatosa que a de direita. O militante socialista — ou progressista como são chamados hoje — sempre teve mais holofotes na mídia. São sempre eles que estão nas “lutas por causas sociais” e em defesa dos “pobres e oprimidos”. Não que a direita não ligue para isso, apenas vê e age ao assunto de uma forma mais coerente e racional. Não há dúvida de que a militância esquerdista é numerosa, organizada e altamente manipulável por líderes populares e partidos políticos que ditam o que eles devem ou não pensar, devem ou não dizer e até mesmo devem ou não sentir. A militância de direita, por outro lado, é pequena, desorganizada e também manipulável por líderes carismáticos. A diferença se dá que no Brasil não há partidos de direita considerados grandes, pois se houvessem também influenciariam seus seguidores da mesma forma que os partidos de esquerda. A grande diferença é que a ideologia de esquerda vende um mundo utópico onde os que a apoiam serão os primeiros a serem castigados por essa mesma ideologia. Ao passo que a direita defende o mundo real, este que conhecemos, e trabalha para a manutenção e aprimoramento do que está bom e para consertar o que está ruim, a direita trabalha com base na realidade dos fatos e, os progressistas, em um mundo imaginário que vem fracassando deste o século XIX.

Algumas pessoas me dizem que o militante é justamente isso: um ser que serve para ser manipulado e usado como massa de manobra para o fortalecimento de uma causa ou ideologia. De fato hoje o militante é resumidamente isto. Mas acredito que qualquer pessoa que goste de política, pertencente ou não a um partido político tem a obrigação de saber o básico de tudo que engloba o mundo político. A militância de esquerda existe graças à ignorância histórica das pessoas, pois qualquer cidadão que estudar Karl Marx, que não sofra de nenhuma patologia mental causada na infância (Leia A MENTE ESQUERDISTA as causas psicológicas da Loucura Política — DR. Lyle H. Rossiter), verá que as ideias defendidas ali são impraticáveis e insanas. Mesmo a ideologia marxista/comunista tendo vitimado mais de 100 milhões de pessoas no mundo deste sua criação, encontra ainda quem a defenda com unhas e dentes. O militante, por ser fanático à causa que defende, verá o mundo sempre de forma distorcida. Para ele todas as ações das pessoas que não são simpáticas à causa que ele defende são ações de agressão e opressão. A PEC 241 que visa estancar a crescente dívida da união com os bancos e assim evitar uma superinflação é vista pela militância de esquerda como retrocesso, mesmo quando o projeto fará bem a eles. Por outro lado, se o mesmo projeto fosse apresentado por Lula ou Dilma, seria instantaneamente aceito e aplaudido.

Um ponto que une ambas as militâncias é resumido em uma palavra: “Emoção”. O militante age por impulso, suas atitudes jamais passam pelo filtro intelectual, nunca o militante observa a situação de forma racional. E justamente por não interpretar projetos e leis de forma analítica, que o militante é usado pelo establishment político como massa de manobra. Ambas as militâncias tem o mesmo comportamento: debatem sobre um determinado assunto ou vários sem saber nada sobre ele, tudo o que sabem vem da grande mídia já de forma manipulada e tendenciosa, nunca lerem nada de maneira clara e objetiva para de fato falar com alguma propriedade sobre determinado tema, livros são uma verdadeira tortura. Logo, não é de se espantar o baixíssimo nível das discussões políticas entre os militantes, que normalmente giram em torno de homossexualidade, religião, liberação das drogas e aborto.

E nestes pontos citados acima é que a mídia, em sua maioria de esquerda, aproveita para achincalhar os direitistas que como touros focados em um pano vermelho, avançam nos esquerdistas sem perceber que jamais conseguirão atingir o pano, pois se trata de um jogo de cartas marcadas no qual o atacante sempre perde. Eu, que sou de direita, vejo horrorizado como a militância direitista é incapacitada para desmascarar a fraude por trás das técnicas de manipulação que a esquerda usa. É fundamental que a direita aprenda a atacar sem que a esquerda se vista do manto do vitimismo, pois do contrário, a direita no Brasil sempre será vista como o vilão da história.

 

Artigo escrito pelo voluntário Fábio Martins no projeto #VoluntáriosRENOVA

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

2 Comentários

  1. Luis disse:

    “manto do vitimismo” < palavra chave . Estudar o vitimismo, ou auto-vitimização é importantíssimo para entender a 'arena' política de hoje. A esquerda se faz de oprimida enquanto te oprime. É uma filosofia em que o "defeito" se torna qualificação total e única para qualquer tipo de avanço pessoal, enquanto alguém visto como "perfeito" (branco, heterossexual, cristão…) é visto como "degradado" e impossibilitado de adentrar-se no diálogo público, sem direito de resposta, voto ou ação. Já tem alguns livros no mercado que focam no assunto : Victimhood – Joseph Epstein ; The Rise in Victimhood Culture…

  2. Gabriel disse:

    Beleza. Realmente é difícil discutir. Os caras são bons. E mentem muito.
    Tenho optado pelo sarcasmo e pela ridicularização.
    Afinal, é isso que eles merecem, não!?
    abs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *