PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

EUA condenam linguagem pró-aborto em resolução da ONU

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

“Os americanos nunca se cansarão de defender a vida de inocentes”, diz o governo Trump em nota enviada à OMS.

Um grupo de ministros da saúde de vários países adotaram uma resolução sobre políticas sanitárias para responder à pandemia de coronavírus em assembleia da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A resolução inclui ainda um capítulo sobre “saúde sexual e reprodutiva”, o que colocou os Estados Unidos em uma posição de repúdio¹, principalmente no que diz respeito à noção de um suposto direito internacional ao aborto.

O governo Donald Trump rejeitou a linguagem presente nos parágrafos 7.5 e 9.4 da resolução, dizendo que “não aceitam referências a ‘saúde sexual e reprodutiva'” ou a conteúdo que possa sugerir que o “acesso ao aborto faz parte dos serviços de saúde da população”.

“Não há direito internacional ao aborto, nem existe obrigação por parte dos Estados de financiar ou facilitar o aborto”, diz uma declaração escrita enviada pelos EUA para a primeira assembleia virtual da OMS.

“Como afirmou o presidente [Donald] Trump, ‘os americanos nunca se cansarão de defender a vida de inocentes'”, acrescentou² o governo norte-americano na nota.

“Os Estados Unidos acreditam em proteções legais para os nascituros”, diz ainda o comunicado³ enviado pelos EUA à OMS.

Referências: [1][2][3]
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.