EUA denunciam imposição do “politicamente correto” pela China

A administração Trump denunciou a imposição por parte do Partido Comunista Chinês (PCC) do “politicamente correto” contra empresas e cidadãos dos Estados Unidos.

A declaração feita em 5 de maio pelo assessor de imprensa do governo, como você pode conferir no documento oficial publicado no site da Casa Branca.

“O presidente Donald J. Trump se declarou contra o politicamente correto nos Estados Unidos. Ele defenderá os Americanos que resistem aos esforços do Partido Comunista Chinês para impor o politicamente correto chinês às empresas e cidadãos americanos”, diz o primeiro parágrafo do comunicado.

De acordo com informações do Epoch Times:

A declaração afirma que, em 25 de abril, a Administração da Aviação Civil chinesa do PCC enviou uma carta a 36 companhias aéreas estrangeiras, incluindo muitas empresas dos Estados Unidos, exigindo que mudassem as definições de “Taiwan”, “Hong Kong” e “Macau” para ficarem de acordo com as regras do Partido.

“Isso é uma bobagem orwelliana e parte de uma tendência crescente do Partido Comunista Chinês de querer impor seus pontos de vista políticos sobre os cidadãos norte-americanos e as empresas privadas”, disse ele. “A censura interna da Internet na China é mundialmente famosa.”

A declaração do assessor de imprensa tem um duplo significado, dependendo de quem a ler. Para a maioria dos norte-americanos, a ideia do politicamente correto está ligada à censura de temas relacionadas à justiça social. Na China, no entanto, a ideia de “politicamente correto” chega até as raízes do conceito como uma ideia de um sistema moral ligado à política estatal.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia