PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

EUA e Brasil retomam conversas sobre acordo espacial

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Após muitos anos de espera, EUA aceitaram retomar negociações com o Brasil sobre um parceria para utilização da base de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites.

Renova Mídia havia informado sobre uma proposta enviada pelo governo brasileiro ao ao Departamento de Estado em meados do ano passado sobre a utilização da base espacial de Alcântara; há poucos dias, os americanos fizeram sua contraproposta.

“Isso ficou parado por muitos anos e estamos retomando agora”, declarou o chanceler brasileiro Aloysio Nunes. Segundo ele, as conversas começarão de maneira imediata, mas não há prazo para sua conclusão.

De acordo com informações do Estadão:

Aloysio disse que Brasil e EUA decidiram retomar a negociação de um acordo de salvaguarda que permitiria o uso da base de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites.

Sem um tratado do tipo, a base não pode ser utilizada, já que 80% dos componentes de satélites no mundo têm tecnologia americana.

Segundo informações da Defesa Net:

Esta é a primeira vez que os americanos aceitam retomar o assunto, depois que o Congresso Nacional rejeitou, há 16 anos, uma polêmica proposta que “blindava” a tecnologia estrangeira para lançar foguetes. Mas, em tese, também abria uma brecha para tirar do Brasil a soberania sobre áreas inteiras dentro da base de lançamento.

A retomada das negociações é um passo importante: significa que diversos organismos americanos aceitaram negociar. Como nos EUA este tipo de acordo não precisa passar pelo Congresso, é uma carta-branca para que o Departamento de Estado negocie.

Esta etapa inicial é a mais difícil de ser obtida e, nos últimos 16 anos, os EUA se recusaram duas vezes a chegar a este passo. Os EUA são os maiores produtores de componentes espaciais, cujo conteúdo é protegido por razões comerciais e de estratégia militar – lançadores e satélites têm tecnologia de uso bélico. Por isso, o acordo com os americanos é condição para qualquer parceria no setor espacial que tenha chances de prosperar.

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.