Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

EUA e Brasil retomam conversas sobre acordo espacial

COMPARTILHE

Após muitos anos de espera, EUA aceitaram retomar negociações com o Brasil sobre um parceria para utilização da base de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites.

Renova Mídia havia informado sobre uma proposta enviada pelo governo brasileiro ao ao Departamento de Estado em meados do ano passado sobre a utilização da base espacial de Alcântara; há poucos dias, os americanos fizeram sua contraproposta.

“Isso ficou parado por muitos anos e estamos retomando agora”, declarou o chanceler brasileiro Aloysio Nunes. Segundo ele, as conversas começarão de maneira imediata, mas não há prazo para sua conclusão.

De acordo com informações do Estadão:

Aloysio disse que Brasil e EUA decidiram retomar a negociação de um acordo de salvaguarda que permitiria o uso da base de Alcântara, no Maranhão, para o lançamento de satélites.

Sem um tratado do tipo, a base não pode ser utilizada, já que 80% dos componentes de satélites no mundo têm tecnologia americana.

Segundo informações da Defesa Net:

Esta é a primeira vez que os americanos aceitam retomar o assunto, depois que o Congresso Nacional rejeitou, há 16 anos, uma polêmica proposta que “blindava” a tecnologia estrangeira para lançar foguetes. Mas, em tese, também abria uma brecha para tirar do Brasil a soberania sobre áreas inteiras dentro da base de lançamento.

A retomada das negociações é um passo importante: significa que diversos organismos americanos aceitaram negociar. Como nos EUA este tipo de acordo não precisa passar pelo Congresso, é uma carta-branca para que o Departamento de Estado negocie.

Esta etapa inicial é a mais difícil de ser obtida e, nos últimos 16 anos, os EUA se recusaram duas vezes a chegar a este passo. Os EUA são os maiores produtores de componentes espaciais, cujo conteúdo é protegido por razões comerciais e de estratégia militar – lançadores e satélites têm tecnologia de uso bélico. Por isso, o acordo com os americanos é condição para qualquer parceria no setor espacial que tenha chances de prosperar.

 

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE