Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

EUA não detectam provas de infecção por covid-19 em embalagens

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
EUA não detectam provas de infecção por covid-19 em embalagens

Órgãos dos EUA se pronunciaram após a China suspender compras de grande empresa de frango do país.

O governo dos Estados Unidos afirmou, na última quarta-feira (23), não ter detectado “evidências de que as pessoas possam contrair Covid-19 de alimentos ou de embalagens de alimentos”.

A informação foi confirmada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA).

O comunicado conjunto foi feito pelo secretário de Agricultura dos EUA, Sonny Perdue, e o comissário da FDA, Stephen Hahn.

De acordo com o comunicado das autoridades do governo Donald Trump:

“Os Estados Unidos compreendem as preocupações dos consumidores aqui e no mundo todo que querem saber que produtores, processadores e reguladores estão tomando todas as precauções necessárias para priorizar a segurança dos alimentos, especialmente durante esses tempos difíceis.

No entanto, os esforços de alguns países para restringir as exportações globais de alimentos relacionados à transmissão da Covid-19 não são consistentes com a ciência conhecida da transmissão.”

Ao esclarecer dúvidas frequentes sobre a pandemia de coronavírus em seu site, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), órgão da Organização Mundial da Saúde (OMS), também afirma que não há caso confirmado de covid-19 transmitido por meio de alimentos ou embalagens.

Em março, o médico Ian Williams, chefe do setor de Resposta e Prevenção de Surtos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), já compartilhava da mesma opinião:

“Não há evidência de que, até agora, a COVID-19 seja transmitida por alimentos ou serviços de alimentos. Isso realmente é respiratório, de pessoa para pessoa. Neste momento, não há evidências que nos mostrem que a comida ou o serviço de alimentos sejam formas de aumentar a epidemia.”

Referências: [1][2]

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email