EUA reforçam que saída de Assad não é prioridade na Síria

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O governo dos Estados Unidos garantiu nesta segunda-feira (17) que sua política na Síria não está dirigida a “remover” Bashar al Assad, mas acrescentou que só contribuirão com a reconstrução do país caso o regime mude “fundamentalmente”.

O representante especial para a diplomacia americana na Síria, James Jeffrey, disse que o regime em Damasco deve estar disposto a “ceder”, considerando que ainda não acabou completamente com a guerra após sete anos de combates, e avaliando que persistem no território cerca de 100 mil combatentes opostos ao governo sírio.

“Queremos ver um regime que seja completamente diferente. Não falo em tirar o regime, não tratamos de remover Assad”, explicou.

Calculando que a Síria precisa de 300 a 400 bilhões de dólares para sua reconstrução, Jeffrey insistiu na postura tradicional das potências ocidentais: não há dinheiro sem uma solução política aceita por todos e sem mudança de comportamento por parte do governo sírio.

O governo do presidente democrata Barack Obama exigia a saída de Assad, mas após a chegada do republicano Donald Trump à Casa Branca, no início de 2017, a saída do dirigente sírio deixou de ser uma prioridade e passou a depender do povo sírio, registra a “AFP“.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.