Facebook espiona até os internautas sem conta na rede social

O Facebook pode acompanhar todos os seus movimentos na internet mesmo se você nunca teve uma conta registrada no site.

Não satisfeita com a vigilância das ações dos seus próprios usuários, a maior rede social do mundo está criando arquivos secretos sobre as atividades de bilhões de internautas por todo o planeta.

A empresa de Mark Zuckerberg diz que usa essas informações para direcionar anúncios e conteúdo com base nas preferências dos usuários, bem como para fins de segurança.

Apesar das desculpas de Zuckerberg, não é possível ter certeza sobre como os seus dados estão sendo utilizados por terceiros e nem como verificar o que o Facebook realmente sabe sobre você.

O Facebook, companhia baseada em Menlo Park, Califórnia, usa dados coletados de seus 1,4 bilhões de usuários ativos diários em todo o mundo como base para algoritmos que vinculam publicidade e outros materiais ao perfil online de uma pessoa.

A empresa pode coletar dados em cada elemento da sua identidade digital: as suas pesquisas, o histórico de bate-papo do Messenger, as fotos que você enviou e até os arquivos baixados por você.

O Facebook também faz uso de cookies – dispositivos de rastreamento que seguem a atividade de internet de um usuário – para coletar dados através de sites de terceiros.

Toda vez que você gosta ou compartilha um conteúdo no Facebook ou visita sites com anúncios e rastreadores do Facebook, você está sendo espionado, mesmo que não tenha iniciado a sessão.

Mesmo se você nunca entrou no site do Facebook, a empresa ainda pode acompanhar o seu comportamento de navegação sem que você saiba. Afinal, mais de 10.000 sites contêm rastreadores invisíveis, denominados Pixels, que registram informações sobre visitantes.

Isso inclui informações desde o sistema operacional que você usa, o seu endereço de IP e até seu comportamento no site durante a visita.

Esses dados oferecem ao Facebook uma visão sólida sobre você e suas preferências. Dessa forma, a empresa pode lhe oferecer os anúncios que mais te interessam, aumentando o nível de conversão e gerando um maior retorno financeiro para a empresa.

Infelizmente, esta forte vigilância não está restrita unicamente ao Facebook. Dias atrás, o voluntário João Guilherme publicou um artigo no site da Renova sobre um processo semelhante utilizado pelo Twitter.

 

Com informações de: [DailyMail]
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *