Português   English   Español

Fachin nega pedido do PSOL para impor restrições ao WhatsApp

Fachin nega pedido do PSOL para impor restrições ao WhatsApp

Em representação, partido argumentou que objetivo era evitar que a disseminação de fake news no WhtasApp prejudicasse o segundo turno das eleições.

O ministro Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou neste domingo (21) pedido de liminar do PSOL para impor restrições ao WhatsApp.

O partido afirmou que o objetivo da sua representação era evitar que a disseminação de dados falsos na rede social prejudicasse o segundo turno das eleições, previsto para o dia 28 de outubro.

O magistrado, porém, ponderou que o PSOL não apontou “fundamentos jurídicos específicos” nem indicou “a conduta ilícita supostamente praticada”.

Em sua decisão, conforme noticiou o G1, o ministro escreveu:

Cabe destacar que não se imputa ao Representado a criação de informações falsas, e sim argumenta-se que por meio dessa aplicação a dispersão de mensagens é ampliada sobremaneira razão pela qual, em seu entender, seria necessária a intervenção da Justiça Eleitoral para restringir e/ou determinar a limitação da atuação do Representado.

O PSOL chegou a pedir ao TSE a suspensão do WhatsApp em todo o país a partir de sábado (20) até o fim das eleições, mas voltou atrás e pediu que o próprio TSE tomasse medidas que entendesse necessárias para coibir “eventuais abusos e a influenciação do pleito”.

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe seu comentário

Veja também...