Português   English   Español

Feministas suecas classificam o nacionalismo como ameaça à Europa

Enquanto milhares de extremistas islâmicos, que consideram mulheres como seres inferiores, continuam se infiltrando em território europeu, o partido feminista da Suécia está mais preocupado com o fortalecimento do sentimento de nação na Europa.

A líder do Partido da Iniciativa Feminista (FI), Gudrun Schyman e sua colega, Soraya Post, estão preocupadas com o nacionalismo crescente na Europa. Ambas pensam que o nacionalismo é o principal inimigo do feminismo.

Schyman e Post estão profundamente preocupadas com o fato de que os partidos nacionalistas estão se fortalecendo na Europa. De acordo com as duas feministas, esse desenvolvimento é “uma ameaça a todo o bem da humanidade”.

Ambas as feministas afirmam que os partidos nacionalistas, entre outras coisas, querem voltar no tempo, retornar os “papéis tradicionais” das mulheres e restringir o direito da mulher de controlar seu próprio corpo.

‘Suas políticas excluem minorias étnicas e religiosas, refugiados, pessoas LGBTQ, feministas e ativistas de direitos humanos – praticamente qualquer pessoa que não se encaixe em seus moldes. Isso é uma ameaça à nossa democracia e à ideia do direito de todos à participação igualitária’, escrevem as mulheres da FI.

Elas continuam dizendo que o nacionalismo é uma ameaça tão grande para a Europa que corre o risco de produzir “consequências cruéis” para as pessoas, como Hitler fez durante a Segunda Guerra Mundial. Elas, portanto, querem lançar o feminismo como o “mais claro oponente” do nacionalismo.

Enquanto isso, os membros feministas do partido ignoram o papel dos imigrantes dos países islâmicos em ameaçar os direitos das mulheres e os direitos humanos na Suécia.

Além do casamento infantil e da mutilação genital feminina, os imigrantes muçulmanos também estão bastante presentes em outras estatísticas que envolvem violação dos direitos das mulheres europeias.

Em alguns lugares, as mulheres da Suécia foram aconselhadas a não sair ou andar pelas ruas sozinhas à noite, assim como se vestir com roupas menos provocantes

Traduzida e adaptada de Fria Tider

Deixe seu comentário...

Veja também...

Newsletter Renova!

Preencha o formulário para assinar nossa newsletter.

Nome Email
newsletter