FGV tenta se explicar após críticas de Decotelli

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

“FGV vem esclarecer, uma vez mais, que o professor Decotelli ministrava aulas em seus cursos de educação continuada”, diz instituição.

O professor Carlos Alberto Decotelli, responsabilizou, na última quarta-feira (1º), a Fundação Getulio Vargas (FGV) por ter pedido demissão do cargo de ministro da Educação do governo Jair Bolsonaro.

Decotelli disse que a instituição de ensino “fez uma covardia impensável de jogar uma notícia na imprensa de que eu nunca havia sido professor da FGV”. 

Nesta quinta-feira (2), em nota enviada ao jornal Folha de S. Paulo, a instituição diz que seguiu o “rigor técnico”:

“[FGV seguiu] o rigor técnico inerente às classificações terminológicas das Portarias da CAPES, uma vez que [Decotelli] não lecionava em turmas de graduação e pós-graduação stricto sensu, o que não reduz, em absoluto, a importância de tais cursos de educação continuada.”

FGV acrescentou:

“A FGV vem esclarecer, uma vez mais, que o professor Decotelli ministrava aulas em seus cursos de educação continuada, coordenados pelo Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE/FGV), que englobavam, além dele, outros quase 950 professores desde o início da pandemia em março do corrente ano, sendo 199 especialistas, 503 mestres e 247 doutores.”

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.