Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Gilmar Mendes já soltou 37 investigados da Lava Jato no Rio

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) tem argumentado que prisões podem ser substituídas por medidas menos gravosas.

Um dos principais críticos do juiz federal Marcelo Bretas, o ministro do Supremo, Gilmar Mendes, já determinou a soltura de 37 investigados da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro e de seus desdobramentos.

As liberdades foram concedidas entre abril de 2017 e esta terça-feira (7) quando acabaram beneficiados Daurio Speranzini Junior, executivo da GE e ex-executivo da Philips; Miguel Iskin, da Oscar Iskin; e Gustavo Stellita, sócio de Iskin em outras empresas.

Na maioria de suas decisões, o ministro tem entendido que as prisões decretadas pelo juiz Marcelo Bretas para os investigados da Lava Jato no Rio são determinadas a partir de supostos fatos criminosos ocorridos há muito tempo, sendo que os casos podem ser enquadrados por outras medidas restritivas menos gravosas que a prisão.

Alguns dos investigados foram beneficiados mais de uma vez por decisões do ministro, como o empresário Jacob Barata Filho, conhecido como rei do ônibus, e Lelis Teixeira, o ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio, que tiveram três liminares.

Adaptado da fonte JOTA

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Comentários

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Outras Notícias