Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Gilmar nega proibir atos para rememorar o 31 de março de 1964

Gilmar nega proibir atos para rememorar o 31 de março de 1964
Revista Veja Matéria: STF julga caso de prissão na 2ª instância, caso Lula. Personagem: Gilmar Mendes Foto: Cristiano Mariz Data: 22/03/2018 Local: STF - Brasília - DF
COMPARTILHE

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, negou nesta sexta-feira (29) a suspensão de atos em homenagem ao 31 de março de 1964.

A ação foi apresentada à Justiça após o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, anunciar que o presidente da República, Jair Bolsonaro, havia determinado ao Ministério da Defesa que fossem feitas as “comemorações devidas” para 31 de março.

Em sua decisão, o ministro Gilmar Mendes, do STF, afirmou:

“Sequestros, torturas e homicídios foram praticados de parte a parte, muito embora se possa reconhecer que, quantitativamente, mais atos ilícitos foram realizados pelo Estado e seus diversos agentes do que pelos militantes opositores do Estado.”

E, segundo o Poder360, acrescentou:

“[Não é] adequado enquadrar como ato de autoridade do presidente da República a opinião de natureza política transmitida por seu porta-voz.”

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

PUBLICIDADE