Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Google proíbe aplicativos que facilitam venda de maconha

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Google proíbe aplicativos que facilitam venda de maconha
COMPARTILHE

A decisão do Google faz parte de uma alteração em sua política de conteúdo.

Na última quarta-feira, dia 29 de maio, o Google baniu aplicativos que facilitam a venda de maconha ou produtos relacionados de sua Play Store.

A empresa agora proíbe a presença de softwares que comercializem a erva em si ou produtos baseados nela, assim como o delivery ou encontros para que a negociação seja realizada presencialmente, mesmo em territórios em que o uso ou plantio já é legalizado.

De acordo com o site Epoch Times, um porta-voz do Eaze, um aplicativo de entrega de maconha, falou sobre a decisão da gigante de tecnologia:

“A decisão do Google é um desenvolvimento decepcionante que só ajuda o mercado ilegal a prosperar, mas estamos confiantes de que o Google, a Apple e o Facebook eventualmente farão a coisa certa.”

O Google deixou claro que não é contra a erva em si, chegando a entrar em contato com desenvolvedores para responder a dúvidas e esclarecer questões técnicas.

A empresa, apenas, não deseja que a venda aconteça em sua plataforma, segundo o Canal Tech.

Para ajudar os afetados pela decisão, a companhia chegou a dar algumas dicas para que o fluxo de negócios de alguns serviços baseados em produtos com maconha não seja interrompido.

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
VEJA TAMBÉM