- PUBLICIDADE -

Google quer lançar mecanismo de busca censurado na China

- PUBLICIDADE -

O Google está trabalhando com as autoridades da China para lançar uma versão censurada de seu mecanismo de buscas. Serão suprimidos resultados com informações sobre direitos humanos, democracia, religião e protestos.

A notícia foi publicada pelo The Intercept na quarta-feira (1). O jornal afirma ter tido acesso a documentos internos da empresa e ter confirmado a informação com funcionários da gigante da internet.

O projeto é chamado “Dragonfly” e está em desenvolvimento desde o ano passado.

O assunto já foi objeto de reunião entre o CEO do Google, Sundar Pichai, e Wang Huning, uma figura de destaque dentro do Partido Comunista da China e que costuma tratar de assuntos das relações internacionais do país.

O plano consiste em construir um aplicativo para o Android, que possivelmente terá o nome de “Maotai” ou “Lonfgei”, que suprime resultados bloqueados pelo esquema de censura estatal da China.

Quando houver resultados omitidos, a seguinte mensagem aparecerá: “alguns resultados podem ter sido removidos devido a requisitos estatutários”.

A censura das autoridades de Pequim na internet é conhecida como “o grande firewall da China“. Sites como Facebook, Twitter e Instagram são bloqueados, além de jornais como The New York Times e Washington Post.

O Google já operou na China de 2006 a 2010, censurando seu mecanismo de buscas. A empresa do Vale do Silício encerrou suas atividades no país asiático em 2010 citando pressão das autoridades locais e tentativas de censurar a liberdade de expressão.

A visão da empresa estadunidense, contudo, parece ter mudado.

Nos últimos anos, a classe média chinesa tem crescido. Já são mais de 750 milhões de usuários de internet.

 

Adaptado da fonte Sputnik
PUBLICIDADE
- PUBLICIDADE -

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -