Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Governo da Nigéria está irritado com a CNN

Governo da Nigéria está irritado com a CNN
COMPARTILHE

CNN confiou muito em vídeos não verificados e possivelmente adulterados, diz governo nigeriano.

O ministro da Informação e Cultura da NigériaAlhaji Lai Mohammed, pediu pela a aplicação de sanções contra a rede de notícias a cabo CNN, dos Estados Unidos

Mohammed rejeita uma reportagem da CNN afirmando que soldados nigerianos dispararam munições reais contra manifestantes em Lagos no mês passado. 

Em conversa com o jornal Vanguard, o ministro declarou:  

“A CNN confiou muito em vídeos não verificados e possivelmente adulterados, bem como em informações provenientes de fontes questionáveis para chegar a sua conclusão. Isso deve render à CNN uma séria sanção por reportagens irresponsáveis.” 

Em reportagem publicada na última quinta-feira (19), a CNN alegou que soldados do Exército Nigeriano atiraram em vários manifestantes, classificando o incidente como um “massacre”.  

A emissora citou “dezenas de testemunhas oculares” que afirmaram que “os manifestantes foram alvejados, primeiro por membros do exército nigeriano e, horas depois, pela polícia”.  

Testemunhas ainda disseram à CNN que viram o exército remover vários corpos da cena.  

Várias organizações do país africano juntaram-se ao governo nigeriano expressando “indignação” com as alegações da CNN. 

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
1 Comentário
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Erik Anderson
Erik Anderson
1 mês atrás

A CNN não pode reclamar dessa censura praticada pelo governo nigeriano, pois ela, bem como muitas outras mídias progressistas, censurão as mídias independes em busca de uma monopólio da informação.

PUBLICIDADE