Português   English   Español

Grande mídia ignora atitude machista de repórter da CNN

Grande mídia ignora atitude machista de repórter da CNN

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (7), o correspondente da CNN na Casa Branca, Jim Acosta, impediu uma jovem estagiária de fazer seu trabalho.

A violência contra as mulheres é um dos temas mais recorrentes em jornais mundo afora.

A batalha da velha imprensa na divulgação de informações contra a misoginia é louvável e sempre ocupa uma parte dos noticiários diários.

No entanto, como de costume, a grande mídia fecha os olhos para certos casos quando o envolvido faz parte da agenda progressista.

É o que está acontecendo neste exato momento.

Nesta quarta-feira (7), durante uma discussão acalorada com o presidente Donald Trump em coletiva de imprensa na Casa Branca, o jornalista Jim Acosta, da CNN, tocou inapropriadamente uma jovem estagiária.

A garota ficou sem reação, como você pode conferir no vídeo abaixo:

Ainda na noite desta quarta-feira, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, anunciou que as credenciais do correspondente da CNN haviam sido confiscadas pelo Serviço Secreto dos Estados Unidos.

A credencial permanente permite a um grupo seleto de jornalistas entrar e sair livremente da Casa Branca e cobrir o dia a dia do presidente.

“Nós, no entanto, nunca toleraremos um repórter colocando as mãos em uma jovem mulher que está apenas tentando fazer seu trabalho como estagiária da Casa Branca”, declarou Sanders ao justificar a punição contra Jim Acosta, conforme noticiou a Renova Mídia.

Apesar do gesto de Acosta, que está sendo considerado por muitos como machista, contra a estagiária da Casa Branca, a emissora CNN elogiou o comportamento do seu jornalista durante a fatídica coletiva de imprensa.

“Que a CNN esteja orgulhosa da forma como seu empregado tem se comportado não é só asqueroso, mas é um exemplo do seu degradante desprezo por todos, incluindo as mulheres jovens, que trabalham neste governo”, acrescentou a porta-voz do governo Trump.

Deixando de lado o posicionamento feminista, a grande mídia brasileira prefere esconder as informações sobre a violência de Jim Acosta contra a jovem funcionária da Casa Branca dentro das matérias.

Enquanto isso, as manchetes dão a entender que as credenciais do correspondente da CNN foram retiradas por causa de uma discussão acalorada com o presidente Donald Trump.

Confira abaixo:

Veja

Jovem Pan

G1

UOL

Deixe seu comentário

Veja também...

Newsletter Renova!

Preencha o formulário para assinar nossa newsletter.

Nome Email
newsletter