Greve dos petroleiros quer tirar Lula da cadeia

A greve da Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi convocada com o objetivo de tirar o ex-presidente Lula da cadeia.

O acervo de textos e documentos disponíveis no site da FUP revela que a prisão de Lula, em 7 de abril, está na origem da greve de 72 horas deflagrada pela corporação da Petrobras na quarta-feira (30).

Durante a primeira semana de encarceramento do petista, dirigentes da FUP e de “sindicatos aliados” estiveram em Curitiba.

Em 14 de abril, a federação divulgou o documento intitulado “Petroleiros e petroleiras rumo à greve.” Nele, Lula é tratado como “primeiro preso político pós-64.”

De acordo com informações do jornalista Josias de Souza:

A paralisação de 72 horas foi convocada como uma “advertência”. De acordo com o comunicado divulgado pela FUP na quinta-feira da semana passada, trata-se de “mais uma etapa das mobilizações que os petroleiros vêm fazendo na construção de uma greve por tempo indeterminado.” Nesse texto, ao enumerar as razões que motivaram a greve, a entidade sindical omitiu a principal: o encarceramento de Lula. Preferiu pegar carona na paralisação dos caminhoneiros, apoiada por 87% dos brasileiros, segundo o Datafolha.

Eis o que escreveu a FUP no comunicado sobre sua greve de advertência: “Os eixos principais do movimento são a redução dos preços dos combustíveis, a manutenção dos empregos, a retomada da produção das refinarias, o fim das importações de derivados de petróleo, não às privatizações e ao desmonte da Petrobrás e pela demissão de Pedro Parente da presidência da empresa.”

Renova Mídia vem alertando para isto há alguns dias. A greve é política. O coordenador-geral da FUP, José Maria Rangel, é um forte aliado do PT e tentou pegar carona na paralisação dos caminhoneiros para reforçar o grito petista pela soltura do presidiário.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia