Português  English  Español  Italiano  Français  Deutsch
Português  English  Español  Italiano  Français  Deutsch

Grupo terrorista matou pai do presidente da OAB, diz Bolsonaro

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
Grupo terrorista matou pai do presidente da OAB, diz Bolsonaro

“É muito fácil culpar os militares por tudo o que acontece. Isso mudou”, disse Bolsonaro.

O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a comentar sobre a morte do pai de Felipe Santa Cruz, atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Em uma rede social, nesta segunda-feira (29), Bolsonaro disse que o opositor do regime militar Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira foi morto pelo grupo terrorista Ação Popular do Rio de Janeiro, e não pelos militares.

A Comissão da Verdade, por outro lado, diz que Santa Cruz foi morto por membros do regime militar.

Mais cedo, Bolsonaro disse que, se o presidente da OAB quisesse saber como o pai morreu, ele contaria. Em resposta, Santa Cruz disse que o chefe do Executivo age com “crueldade” e sofre de “falta de empatia“.

Segundo o site G1, Bolsonaro declarou:

“Tinha o Santa Cruz, que era jovem, veio para o Rio de Janeiro. De onde eu obtive as informações? Com quem eu conversei na época, ora bolas. Conversava com muita gente. […]. E o pessoal da AP do Rio de Janeiro ficou, primeiro, ficaram estupefatos, ‘como é que pode esse cara vir do Recife se encontrar conosco aqui?’. O contato não seria com ele, seria com a cúpula da Ação Popular de Recife. E eles resolveram sumir com o pai do Santa Cruz. Essa é a informação que eu tive na época sobre esse episódio.”

E acrescentou:

“Qual é a tendência, se ele sabe, ‘nós não podemos ser descobertos’. E existia essa guerra naquele momento. Isso que aconteceu, não foram os militares que mataram ele, não, tá? É muito fácil culpar os militares por tudo o que acontece. Isso mudou. Mudou através do livro ‘A Verdade Sufocada’, o depoimento do Brilhante Ustra, entre outras pessoas, mostrou que uma guerra naquele momento era realmente um lado contra o outro.”

Para Bolsonaro, a Ação Popular era o “grupo terrorista mais sanguinário que tinha”, com ramificações no Brasil, como as de Recife e Rio de Janeiro.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email