Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Guedes destaca importância das ‘despedaladas’ de bancos públicos

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Guedes destaca importância das ‘despedaladas’ de bancos públicos
COMPARTILHE

Segundo o ministro da Economia, o processo de “despedaladas” ajudará a melhorar a eficiência do governo e torná-lo mais “fraterno”.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou, nesta quarta-feira (12), a importância das “despedaladas” de bancos públicos e demonstrou confiança que o governo conseguirá abater da dívida pública os recursos a serem devolvidos.

Ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Pedro Guimarães, Guedes anunciou a devolução de R$ 3 bilhões em instrumentos híbridos de capital e dívida (IHCD) que foram utilizados para capitalizar o banco público. O dinheiro será usado para abater dívida pública.

Durante discurso nesta quarta, Guedes destacou a importância das “despedaladas”:

“Houve muitos empréstimos da União aos bancos públicos e esses cometeram excessos com esses recursos, particularmente BNDES e Caixa. Essas pedaladas levaram ao impeachment da presidente por irresponsabilidade fiscal. Nós então dissemos que íamos ‘despedalar’ os bancos públicos e resgatar a dívida pública.”

Guedes se mostrou esperançoso:

“Pela primeira vez na história vamos reduzir a dívida com a devolução de recursos de banco público.”

Segundo o site Seu Dinheiro, Guedes lembrou que os bancos públicos fizeram parte do que ficou conhecido como “contabilidade criativa” e que instituições, como a Caixa, foram utilizada para malfeitos como relevado pela Operação Lava Jato:

“O que estamos fazendo é justamente remover esses privilégios. Reduzir esse dinheiro dos campeões.”

Ainda durante seu discurso, o ministro da Economia questionou se o modelo utilizado pelas gestões do PT para os bancos públicos era realmente apropriado:

“O dinheiro do poupador brasileiro, da caderneta de poupança, será que tem de virar empréstimo para a Petrobras e Odebrecht. Será que é para isso que temos bancos públicos? Essa é a grande pergunta.”

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram