Guerrilheiro do ELN pertencia à Guarda Bolivariana da Venezuela

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

De acordo com militares da Colômbia, venezuelanos atravessam a fronteira e são recrutados em condições muito vulneráveis pela guerrilha.

O presidente colombiano, Juan Manuel  Santos, disse na noite do domingo (18/02) que o guerrilheiro do Exército de Libertação Nacional (ELN) que morreu na semana passada enquanto colocava explosivos em uma estrada no nordeste da Colômbia “pertencia ou pertenceu” à Guarda Nacional Bolivariana (GNB) – a polícia militar venezuelana.

Dias atrás, o governo Santos havia alertado sobre o aumentado o número de venezuelanos envolvidos em ataques da guerrilha comunista ELN na Colômbia.

De acordo com informações do Estadão:

O atentado ocorreu numa rodovia que une as cidades de Pamplona e Cúcuta, no Departamento Norte de Santander, fronteiriço à Venezuela. Segundo Santos, esse é mais um indício de que a guerrilha está recrutando venezuelanos, como revelou na semana passada o comandante das Forças Armadas colombianas Alberto Mejía.

“Venezuelanos atravessam a fronteira e são recrutados em condições muito vulneráveis pela guerrilha”, disse o líder militar.O ELN, ainda segundo o relato do general, oferece pagamentos e benefícios para aderir ao grupo. Além do recrutamento, os líderes da guerrilha têm se refugiado na Venezuela.

Diariamente, 37 mil venezuelanos cruzam a fronteira – uns para comprar comida e remédios, outros para fugir da crise no país vizinho. Ao menos 550 mil já se instalaram definitivamente na Colômbia

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.