Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Hospital de Londres lembra zona de guerra, diz cirurgião-chefe

João Guilherme

João Guilherme

COMPARTILHE

Os hospitais na Londres do prefeito muçulmano Sadiq Khan lembram aqueles nas zonas de guerra, disse um cirurgião que trabalha salvando vítimas da crescente onda de violência na cidade.

Os comentários foram feitos na manhã de quinta-feira (05), após mais dois homens serem mortos durante a noite, dias depois de, em outra noite de violência, um garoto de 16 anos ser esfaqueado até a morte e uma garota de 17 levar um tiro em um “drive by”.

Os assassinatos da quarta-feira (04), ambos em Hackney, região leste de Londres, fizeram o número de homicídios na capital subir para 50 só esse ano, se distanciando de Nova Iorque, que havia sido ultrapassada por Londres no final de semana.

“Alguns de meus amigos militares descreveram suas atividades aqui como parecidas com estar no [Campo] Bastion”, disse o Dr. Griffiths ao programa Today da BBC Radio 4.

“Nós estávamos acostumados a cuidar de pessoas com vinte e poucos anos. Agora, as pessoas que atendemos geralmente estão no final da adolescência e em uniformes escolares, quase sempre com marcas de facada ou tiro.”.

O doutor acrescentou:

Um garoto ser esfaqueado há 5 ou 6 anos seria uma história de terror, agora é normal. As pessoas veem as outras serem mortas diariamente. Membros da administração, que não têm que lidar com gangues ou violência, deixam isso passar em branco, sem qualquer comentário, e você tem a sociedade que merece se ignorar a violência.

Na quarta-feira, o prefeito Khan respondeu à crise alegando que o aumento no número de crimes também estava afetando outras áreas do Reino Unido.

Enquanto isso, Amber Rudd, Secretário da Cidade, exigiu que as reses sociais censurem qualquer conteúdo como forma de resposta à onda de crimes, alegando que apagar vídeos vai ajudar a salvar vidas.

Um porta-voz da prefeitura disse: “As gangues geralmente postam vídeos para incitar a violência ou embelezar a criminalidade para influenciar as pessoas mais jovens. A instantaneidade das redes sociais significa que os planos se desenvolvem com velocidade e disputas podem acontecer muito rapidamente.”.

 

Matéria traduzida e adaptada de Breitbart

 

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram