Hungria e Eslováquia elogiam decisão da Itália de rejeitar imigrantes ilegais

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Os líderes da Hungria, Viktor Orbán, e da Eslováquia, Peter Pellegrini, elogiaram nesta terça-feira (12) a decisão da Itália de não autorizar a entrada da embarcação com centenas de imigrantes ilegais a bordo.

“Quando ouvi a notícia, suspirei e disse: finalmente!”, declarou o primeiro-ministro da Hungria à imprensa em Budapeste.

O novo governo direitista da Itália rejeitou a chegada em seus portos de uma embarcação que transportava 629 refugiados, uma medida que foi criticada pela ONU, pelo Conselho da Europa e por várias ONGs.

Segundo o líder húngaro Viktor Orbán, “durante muito tempo” se argumentou que as fronteiras marítimas não podiam ser defendidas.

“O que faltava era a vontade e não a capacidade”, acrescentou Orbán, conhecido pela rejeição categórica à imigração e aos refugiados, a quem relaciona com o terrorismo e a criminalidade.

Por sua vez, o líder eslovaco, Peter Pellegrini, considerou que atualmente, se uma pessoa “se joga na água, pode ter certeza que será levada ao território da União Europeia”.

“A decisão italiana é só um começo que obrigará outros países a criar um sistema eficaz de defesa das fronteiras”, opinou o primeiro-ministro da Eslováquia.

“Não mudaremos nossa visão de poder decidir com quem queremos conviver”, disse Pellegrini, que acrescentou que a maioria da população da Europa “está de acordo com o que diz sobre o tema o Grupo de Visegrado” (formado pela Hungria, Eslováquia, Polónia e República Tcheca).

 

Com informações de BOL

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.