Hungria se nega a ratificar declaração euro-africana sobre migração

A Hungria rejeitou nesta quarta-feira (2) ratificar uma declaração euro-africana que reconhece “as vantagens das migrações em termos de desenvolvimento”.

A “declaração política de Marrakech” foi assinada pelos representantes de 55 países (27 europeus e 28 africanos).

O texto “descreve a migração como um fenômeno necessariamente positivo (…) que contribuiu ao desenvolvimento global” e “nós pensamos que se trata de um enfoque desequilibrado e não estamos de acordo com ele”, declarou o ministro húngaro das Relações Exteriores, Peter Szijarto.

De acordo com informações de Jornal do Brasil:

“Nossa posição é de que temos que nos concentrar nos meios para frear a migração ilegal e não impulsioná-la”, disse durante esta coletiva, organizada em Marrakech.

“No podemos negar que a migração tem um aspecto crucial relacionado com a segurança: é inaceitável que se tenha deixado de lado neste documento”, afirmou, em referência aos atentados que atingiram a Europa nesses últimos anos.

A Hungria rejeita “a visão internacional atual (que) se concentra na forma de administrar a migração”, pois o que se teria que fazer é “frear o fluxo ilegal na Europa”, insistiu.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *