Iêmen vive pior crise humanitária do planeta e nenhuma previsão de encerrar conflito

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O país árabe vive a maior crise humanitária do mundo com milhões passando fome e uma epidemia de cólera que se alastra.

Uma solução negociada para conflito no Iêmen parece cada vez mais distante e a guerra pode piorar ainda mais depois que os rebeldes houthis, mataram Ali Abdullah Saleh, antigo aliado e ex-ditador do país.

Numa guinada inesperada, em 4 de dezembro, Saleh morreu atingido pelos houthis quando tentava fugir da capital, Sanaa, depois de vários dias de enfrentamentos entre os seus homens e os rebeldes, que lutaram no mesmo lado nos últimos três anos.

A Arábia Saudita – que lidera a coalizão militar que intervém no Iêmen contra os houthis desde março de 2015 – viu na morte de Saleh a possibilidade de acabar com os rebeldes, agora que eles não têm mais o apoio das forças do ex-ditador.

O conflito armado e o imenso bloqueio imposto pela Arábia Saudita ao país está tendo um impacto devastador para a população de 26 milhões de pessoas, das quais 20 milhões precisam urgentemente de ajuda humanitária e 7 milhões dependem completamente dos alimentos fornecidos por organismos internacionais, segundo a ONU.

 

Com informações de: (1)

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.