Indicação de premiê globalista agrava crise política na Itália

O presidente italiano, Sergio Mattarella, nomeou Carlo Cottarelli, ex-dirigente do FMI, para governar o país, após vetar escolha de ministro da Economia contrário à União Europeia.

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, indicou nesta segunda-feira (28) Carlo Cottarelli, ex-dirigente do Fundo Monetário Internacional (FMI), como futuro primeiro-ministro do país.

O economista substituirá Giuseppe Conte, jurista e professor universitário indicado ao posto na semana passada, que renunciou no fim de semana após uma tentativa frustrada de liderar um governo de coalizão entre o antissistema Movimento 5 Estrelas e a direitista Liga.

De acordo com informações do Estadão:

Cottarelli, de perfil tecnocrata, deve ficar no poder só até a realização de novas eleições. A nomeação de Cottarelli é um novo capítulo da crise política italiana iniciada com as eleições legislativas de março. Desde então, os partidos se sucedem na tentativa de formar uma maioria estreita no Parlamento, sem sucesso. Na semana passada, Conte, acusado de mentir em seu CV, chegou a aceitar a missão de formar uma coalizão entre o M5S e a Liga. A tentativa durou três dias.

A decisão de Conte de nomear para o cargo estratégico de ministro da Economia o economista eurocético Paolo Savona, crítico contumaz da moeda única europeia e da Alemanha, levou Mattarella a usar seus poderes constitucionais para vetar o governo. Desautorizado em uma decisão inédita por parte de um chefe de Estado, Conte renunciou sem se submeter ao voto de confiança do Parlamento.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia