Português   English   Español

Internet não compra narrativa do PT sobre atentado a Haddad

Internet não compra narrativa de atentado a Haddad

A hashtag #AtentadoFakeDoPT está no topo dos assuntos mais comentados do Twitter brasileiro na manhã desta terça-feira (23).

Dirigentes do Partido dos Trabalhadores, sob liderança da presidente nacional da legenda, Gleisi Hoffmann, afirmaram nesta segunda-feira (22) que entrariam com ações no TSE e STF contra uma suposta incitação à violência proferida pelo presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Em vídeo, Gleisi ameaçou que Bolsonaro será o culpado caso algo aconteça com Fernando Haddad (PT) ou o futuro ex-senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Confira:

Renova Mídia noticiou na manhã desta terça-feira (23) que o senador petista Lindbergh pediu proteção à Polícia Federal e acusou Bolsonaro de ser apoiado por milicias do Rio de Janeiro.

Aparentemente, a narrativa do PT para a última semana de campanha do segundo turno das eleições é a de que Jair Bolsonaro está gerando um clima intenso de violência em âmbito nacional.

Flavio Morgenstern, em matéria no Senso Incomum, falou sobre uma estratégia utilizada com primor por partidos de viés esquerdista ao longo das décadas:

O PT tem se especializado no que se chama de false flag, como o incêndio no Reichstag que iniciou o nazismo: forjar um pseudo-atentado, posar como “vítima” de uma perseguição e, então, usar todas as armas legais e ilegais contra o inimigo. É o que parece que irá fazer na reta final das eleições, para depois tentar impugnar a candidatura de Bolsonaro. Se não pode fraudar todas as urnas, que tal ignorá-las?

Basta-se lembrar dos supostos “tiros” na caravana de Lula, enquanto o ex-presidente não era preso. Um jornal do Paraná já havia alertado quase 3 meses antes que o MST planejava criar um falso atentado em Quedas do Iguaçu, exatamente a minúscula cidade onde os tiros acertaram a caravana sem ninguém ver quem foi o autor dos disparos.

O procurador federal Ailton Benedito também citou um episódio interessante da história mundial onde podemos encontrar uma certa relação com o momento atual:

As redes sociais agiram proativamente e deixaram claro que não faz sentido um candidato que está liderando as pesquisas com ampla vantagem estimular um ataque contra seu adversário faltando poucos dias para o dia da eleição.

Confira algumas das principais mensagens da hashtag #AtentadoFakeDoPT:

 

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe seu comentário

Veja também...