Israel aprova lei para congelar auxílio a prisioneiros palestinos

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O Parlamento de Israel aprovou nesta segunda-feira (2) uma lei para congelar as prestações dadas à Autoridade Palestina do equivalente a que esta entrega às famílias dos detidos palestinos.

O texto, adotado com 87 votos a favor e 15 contra, prevê que sejam descontadas as quantias entregues aos detidos palestinos dos fundos que Israel arrecada com o IVA ou com direitos alfandegários da conta da Autoridade Palestina.

A Palestina outorga prestações a famílias dos palestinos detidos por Israel em função das penas cumpridas.

Segundo um dos promotores da lei, Avi Dichter, deputado do Likud, o partido conservador do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o total do que entrega às famílias representa 7% do montante do orçamento da Autoridade Palestina, que já tem um déficit expressivo.

Dirigindo-se ao presidente palestino, Mahmud Abbas, Avi Dichter disse durante os debates: “em vez de a Autoridade de vocês investir em saúde, educação, gastam 7% de seu orçamento para financiar o terrorismo”.

Os deputados da oposição Lista Árabe Unificada e do Meretz denunciaram a lei, assim como a Autoridade Palestina.

A maior parte das famílias palestinas tiveram, ao menos, um familiar detido desde o começo da ocupação israelense dos territórios palestinos, em 1967.

 

Com informações do BOL

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.