Português   English   Español

Jair Bolsonaro diz ao TSE que PT quer ‘caos eleitoral’

Jair Bolsonaro diz ao TSE que PT quer 'caos eleitoral'

No limite do prazo de cinco dias dado pelo TSE, Bolsonaro formalizou nesta quarta-feira (24) sua defesa contra a denúncia em que o PT pede a cassação da sua candidatura por suposto crime eleitoral.

Segundo os advogados do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), a representação do Partido dos Trabalhadores (PT) não apresenta qualquer prova e se presta a “criar fato político inverídico e, a partir daí, produzir celeuma midiática”.

O candidato do PSL foi acusado em reportagem da Folha de S. Paulo de ter sido beneficiado pela utilização de mecanismo de envio de mensagens em massa via WhatsApp durante a campanha.

Segundo a Folha, o sistema foi custeado por empresas de apoiadores do presidenciável e tinha como objetivo disseminar conteúdo ofensivo contra seu adversário Fernando Haddad (PT).

Além da cassação de mandato eletivo, na hipótese de eleição de Bolsonaro, o PT pede ao TSE que o deputado seja considerado inelegível pelos próximos oito anos.

A defesa de Bolsonaro pede que a ação seja extinta por ausência de provas e improcedência da denúncia. Segundo a coligação “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, a campanha de Haddad age por inconformismo com a liderança do deputado, à frente do petista em pesquisas de intenção de voto. Nesse sentido, diz o grupo do PSL, o objetivo dos petistas é “desestabilizar” a campanha “crescente e auspiciosa” do adversário.

Segundo um trecho da defesa:

A denúncia foi construída especialmente para desconstruir a imagem do candidato Jair Messias Bolsonaro e instalar o caos no processo eleitoral 2018. [O objetivo é] preparar previamente arma política para cassar o candidato Jair Messias Bolsonaro, caso ele venha a vencer o segundo turno das eleições.

Os advogados de Bolsonaro também argumentam que ele não precisa de uma indústria de envio de mensagens para conquistar votos, pois já tem apoio espontâneo no eleitorado brasileiro.

 

Adaptado da fonte Congresso em Foco

Deixe seu comentário

Veja também...