PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Japão controlou o coronavírus sem isolamento social

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Japão está deixando o estado de emergência de forma gradativa. Tóquio já está livre.

O Japão conseguiu o objetivo de controlar¹ quase por completo a proliferação do coronavírus ignorando — em grande parte — o manual adotado por outras nações.

O governo japonês não impôs restrições à mobilidade de residentes, e empresas, como restaurantes e salões de beleza, permanecem abertas.

Também não foram implantados aplicativos de alta tecnologia que rastreiam os movimentos das pessoas.

E, por incrível que pareça, o Japão testou apenas 0,2% da população, uma das taxas mais baixas entre os países exportados.

No entanto, apesar de não ter tomados várias medidas consideradas cruciais para conter a pandemia, o país asiático tem uma curva achatada², com mortes bem abaixo da média de outros países de primeiro mundo.

Em Tóquio, com alta densidade populacional, os casos caíram para um dígito na maioria dos dias.

Mikihito Tanaka, professor da Universidade de Waseda, que faz parte de um grupo consultivo público de especialistas sobre o coronavírus, comentou³ sobre o assunto.

“Apenas olhe para os números de mortes, você pode dizer que o Japão foi bem-sucedido. Mas mesmo especialistas não sabem o motivo”, disse Tanaka.

Uma lista amplamente compartilhada no país reúne 43 possíveis razões para este sucesso do Japão no combate ao coronavírus, variando uma cultura de uso de máscaras e uma taxa de obesidade baixa, além da decisão relativamente antecipada de fechar escolas.

Restrições: [1][2][3]
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!
PUBLICIDADE. ANUNCIE AQUI!

Encontrou um erro?

Para comunicar um erro de português, de informação ou técnico, preencha o formulário abaixo.