Juíza proíbe Gleisi Hoffmann de atuar como advogada de Lula

Twitter
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

A juíza federal Carolina Lebbos, responsável pela execução penal do ex-presidente Lula, determinou que a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, e o tesoureiro do partido, Emídio de Souza, não poderão mais visitar Lula na prisão na condição de seus advogados.

A decisão da magistrada foi tomada nesta quinta-feira (30) e atende a pedido do Ministério Público Federal (MPF) de meados deste mês.

Os membros da força-tarefa da Lava Jato afirmaram que as visitas ao ex-presidente feitas por políticos que se inscreveram como advogados estão transformando a sede da Polícia Federal na capital paranaense em seu comitê de campanha.

Os procuradores pediram especificamente que a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, fosse impedida de visitar Lula na condição de sua advogada, sob argumento de que ela não pode, como parlamentar, continuar a advogar.

Inscritos como advogados de Lula, Gleisi e Emídio tinham acesso facilitado a ele na PF em Curitiba, onde o petista cumpre pena de 12 anos e 1 mês por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo.

“Nem a ditadura impediu advogados de visitar presos”, disse Gleisi ao rechaçar a decisão da juíza.

 

Adaptado da fonte EXTRA
Twitter
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Isso também pode te interessar

Deixe seu comentário

Anunciante
e-consulters
Parceiro

Assine nossa Newsletter!

Preencha o formulário para assinar.

Nome Email
newsletter

Últimas publicações