Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Juíza suspende nomeação de militar na Funai citando Moraes

Imagem: Reprodução/Twitter
COMPARTILHE

A nova interferência do Poder Judiciário nas nomeações do Executivo pode gerar um efeito cascata na Funai.

Citando uma liminar recente do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, a juíza Janete Lima Miguel suspendeu a nomeação do militar de carreira José Magalhães Pinto.

Magalhães Pinto havia sido indicado para o posto de coordenador regional da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul

A magistrada disse que o caso do coordenador regional “amolda-se justamente à mesma situação” do delegado Alexandre Ramagem, que foi indicado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, para o comando da Polícia Federal (PF). 

Segundo a revista Veja, a juíza cita inclusive o trecho em que Moraes afirma que o Poder Executivo abre brecha para anulação de uma nomeação pelo poder judiciário “quando o órgão administrativo utiliza-se de seu poder discricionário para atingir fim diverso daquele que a lei fixou, ou seja, quando ao utilizar-se indevidamente dos critérios da conveniência e oportunidade, o agente desvia-se da finalidade de persecução do interesse público”.

A nova interferência do Poder Judiciário nas nomeações do Executivo é considerada importante porque pode gerar um efeito cascata no órgão indigenista. Atualmente, ao menos 20 das 39 coordenadorias da Funai são chefiadas por militares.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários