Juíza veta médico particular para o detento Lula

A juíza Carolina Lebbos proibiu nessa quarta-feira (25) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na sede da Polícia Federal em Curitiba desde 7 de abril, de receber seu médico para a realização de exames de rotina.

A defesa argumenta que o atendimento médico a Lula é “necessário para preservar a saúde” do ex-presidente e que sua realização “não implicará em qualquer alteração na rotina” da sede da Superintendência.

De acordo com informações da UOL:

O pedido já havia sido feito pelos advogados na última sexta-feira (20) e foi reforçado na petição enviada nessa quarta-feira (25) à juíza às 13h56.

Às 15h08, a magistrada publicou um despacho, mas não decidiu sobre a solicitação. A juíza afirmou não haver “indicação de urgência” e disse aguardar informações da Superintendência da PF para, então, tomar uma decisão.

O deputado federal Paulo Pimenta (PT), como de costume, ficou revoltado com a decisão da juíza Carolina Lebbos.

“A juíza proibiu porque (segundo ela) não se caracteriza como urgência ou emergência”, disse Pimenta, depois de lembrar que o ex-presidente Lula tem 72 anos e já enfrentou por um câncer na garganta.

“Até quando esta casa permanecerá acovardada diante de uma juíza de primeira instância, que afronta o Poder Legislativo, que desrespeita a legislação, pisoteia a Constituição?”, indagou.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *