Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Justiça manda Twitter banir escritor que pediu enforcamento de Bolsonaro

Justiça manda Twitter banir escritor que pediu enforcamento de Bolsonaro
COMPARTILHE

Escritor incitou “claramente a violência contra grande parte da população”, diz juiz.

A Justiça do Rio de Janeiro determinou a remoção do perfil do escritor João Paulo Cuenca na rede social Twitter

A decisão foi motivada por uma publicação na qual Cuenca pediu o enforcamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, e de sua família. 

“Brasileiro só será livre quando o último Bolsonaro for enforcado nas tripas do último pastor da Igreja Universal”, escreveu Cuenca. 

A decisão de exclusão é do juiz Ralph Machado Manhães Junior, da comarca de Campos dos Goytacazes (RJ). 

O magistrado é o responsável pelo processo no qual o pastor da Igreja Universal, Nailton Luiz dos Santos, pede indenização por danos morais no valor de R$ 10 mil em razão da postagem, além da remoção da conta do escritor da rede social. 

Segundo o magistrado, a conta deve ser banida porque “não obstante ser reconhecido o direito constitucional da liberdade de expressão, no caso em tela, há a extrapolação do referido direito, pois a postagem do réu é ofensiva”. 

Ainda de acordo com a decisão do juiz, o escritor incitou “claramente a violência contra grande parte da população”. 

Em sua defesa, João Paulo Cuenca alega que estava parafraseando um texto de Jean Meslier, autor do século 18. 

“O homem só será livre quando o último rei for enforcado nas tripas do último padre”, diziam os escritos originais de Meslier. 

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
8 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários
Selminha
Selminha
1 mês atrás

Espero que nenhum dos 11 urubus tentem reverter essa decisão…chega dessa esculhambação em nosso país…”esse ódio do bem”, precisa começar a ter limites.

Fernando lima
Fernando lima
1 mês atrás

Só podia ser um mal caráter sem vergonha

Tolerância Zero
Tolerância Zero
1 mês atrás

Só podia ser argentino, feito um cheirador que morreu essa semana. Tá mais pra calcinha esse cuenca.

Luiz
Luiz
1 mês atrás

Cara de psicótico…toma remédio para dormir e para acordar.. !!!
Amargura e depressão…!!!

Rival Sensor
Rival Sensor
1 mês atrás

Esquerda imunda sendo esquerda imunda, são “defensores” da liberdade, mas agridem quem pensa diferente. Acusam os outros daquilo que são. Discurso de ódio é bobagem pra essas bestas-feras comunistas, tem que matar, enforcar e estripar, para esses LIXOS desses blogueiros pseudo-escritores, que não passam de bichos nojentos, imundos e abjetos, fica a pergunta: qual a razão de tanto ódio? Perdeu alguma boquinha? Perdeu clientes corruptos? Perdeu dinheiro em algum esquema de roubo que rolava solto nos governos anteriores?? Deixou de ganhar a mesada pra não falar mal do governo??? O que Bolsonaro fez pra esses lixos terem tanta raiva???? Quanto mais eu assisto essas agressões mais eu tenho certeza que votei no cara certo, quando todo o sistema podre, corrupto e demoníaco está contra um único homem, mais eu fico do lado do Bolsonaro!

Última edição 1 mês atrás por Rival Sensor
Aparecido
Aparecido
1 mês atrás

Independente de estar “parafraseando”, o mané manifestou uma ideia estritamente pessoal. Assim como Mauro Iasi fez certa feita.
Corretíssimo o juiz, esses esquerdopatas não podem sair falando suas escatologias livremente, afinal eles são os primeiros a acusar os demais quando não falam o que querem ouvir.

ander
ander
1 mês atrás

Tinha que ser um cidadão comum, por que se dependesse do Frouxonaro, cagavam na cabeça dele e ele não iria fazer nada.

Cavalo Branco
Cavalo Branco
1 mês atrás

Essa frase mesmo que no original ofende pelo menos um quarto da humanidade, pois ofende o cristão e defende o fim do cristianismo através da barbárie, assim, quem apoia a revolução também é participante em seus crimes. Qualquer comparação com Hitler, Stalin ou Mao Tse Tung não é mera coincidência.

PUBLICIDADE