Lava Jato do Rio investiga fraudes de multinacionais no setor da saúde

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Polícia Federal prendeu empresários do setor de equipamentos da saúde por fraudes em contratos com o governo do Rio de Janeiro.

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (4) a Operação Ressonância, um braço da Lava Jato, para prender empresários do setor de equipamentos de saúde que teriam participado de fraudes em contratos com o governo do Rio de Janeiro.

São alvo de mandados de prisão e busca e apreensão pessoas ligadas a grandes multinacionais que atuam no setor.

Há ao menos dois mandados de prisão contra executivos da Philips do Brasil. A investigação menciona outras grandes empresas internacionais.

A PF aponta fraudes em licitações da Secretaria de Saúde e no Into (Instituto Nacional de Traumatologia).

Um dos alvos da operação é o empresário Miguel Iskin, que já havia sido preso na Fatura Exposta, e solto em dezembro por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é apontado como um organizador do cartel de pregões internacionais na pasta e no Into.

Com informações da Gazeta do Povo

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.