Le Pen denunciada por tuitar fotos de atrocidades do Estado Islâmico

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Um juiz abriu nesta quinta-feira (01) uma investigação formal contra a líder direitista da França, Marine Le Pen, por disseminar imagens violentas em uma série de mensagens do Twitter com fotos de execuções realizadas pelo Estado Islâmico.

O inquérito analisa três imagens que ela publicou na rede em dezembro de 2015, incluindo a decapitação do jornalista americano James Foley. A líder conservadora denunciou a ação como uma forma de interferência política.

“Se eles estão tentando me silenciar, não vão conseguir”, disse Le Pen ao canal LCI.

A decisão do juiz de abrir o inquérito, tomada a partir do pedido feito pela procuradoria de Nanterre, região no subúrbio de Paris, vem a pouco mais de uma semana antes do congresso anual da Frente Nacional, onde espera-se que Marine Le Pen apresente seu plano para reconstruir a imagem do partido após derrota nas eleições do ano passado.

Sob o sistema legal da França, ser alvo de uma investigação mais de uma vez pode levar a julgamento. Caso ela seja levada a julgamento, Le Pen poderia enfrentar uma sentença de vários anos da prisão e pagamento de multa de € 75 mil.

Colegas de partido protestaram nas redes sociais contra as novas acusações. Bryan Masson, autoridade da Frente Nacional da região dos Alpes, ironizou no Twitter:

Marine Le Pen sob investigação formal por espalhar fotos de execuções do Estado Islâmico. Não, não faz bem dizer a verdade.

 

Com informações de: [BOL, OGlobo]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.