Líder chavista admite dar dinheiro a quem votar no ditador Maduro

A ditadura chavista não poupará esforços para recompensar os que votarem em Nicolás Maduro nas fraudulentas eleições de 20 de maio.

O número dois do chavismo, Diosdado Cabello, declarou nesta quarta-feira (02) que não descarta a distribuição de dinheiro entre os eleitores.

Cabello, vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), declarou que prefere recompensar os eleitores fiéis a Maduro com outros tipos de “incentivos”, como livros do finado presidente Hugo Chávez ou cópias da nova Constituição que está sendo escrita, mas dinheiro também pode integrar o pacote de reconhecimento.

De acordo com informações da Isto É:

O político pediu à vice-presidente de finanças do PSUV, Yelitza Santaella, que “analise os números” e destacou que “não se trata da compra de votos, porque o povo vota em quem quiser”.

No sábado passado, Maduro admitiu utilizar o carnê da pátria – programa de auxílio do governo – para “incentivar” os eleitores nas eleições de 20 de maio.

“Todos que tiverem o carnê da pátria devem votar (…). Estou pensando em dar um prêmio ao povo da Venezuela que irá votar neste dia, com o carnê da pátria”, disse Maduro em um comício no estado de Anzoátegui (nordeste).

“Pela democracia, pela liberdade, dando e dando: recebo meu direito social ao trabalho, ao estudo, à pensão, mas dou meu voto à pátria”, declarou Maduro.

 

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia